A diferença entre os termos publicidade e propaganda.

Apesar de em grande parte do mundo, a propaganda ser entendida como a ferramenta de comunicação com fins políticos, ideológicos ou religiosos (homônimo) e a publicidade (advertising, publicidad, publicità, publicité) a comunicação comercial… No Brasil temos – junto a alguns grupos – a defesa de que o termo propaganda deve designar a comunicação comercial e a publicidade os esforços em gerar mídia gratuita (próprios das relações públicas e assessoria de imprensa).

Mas o pior disso tudo é que a grande maioria das pessoas que vejo defendendo esta “tese” não sabe disso… Apenas repetem as explicações simplistas de seus professores e/ou que leram em algum livro traduzido de maneira equivocada… Falar que “Kotler” disse que propaganda é isso ou aquilo está errado… Kotler fala de Advertising, mesmo porque existe o termo (homônimo) “propaganda” em inglês e ele designa a comunicação com fins políticos, ideológicos ou religiosos… Chega a ser engraçado, pois essas pessoas usam ferramentas próprias da propaganda para “propagar” esta ideia.

Sou defensor de um entendimento mais claro – pois caso contrário – iríamos perder as lições e até o entendimento das ferramentas de comunicação de massa próprias da propaganda e também acabaríamos por deturpar o entendimento dos esforços de relações públicas e assessoria de imprensa em gerar mídia gratuita. O simplismo acabaria também deturpando as habilitações da Comunicação Social… Entre outros problemas… Nem sempre o caminho mais fácil é o certo.

Se for copiar, coloque os créditos… Obrigado!

Socialismo, cotas, assistencialismo e seus resultados.

“Um professor reprova uma turma inteira…”

Um certo professor de economia disse que nunca havia reprovado um só aluno, até que certa vez reprovou uma classe inteira…

Essa classe em particular havia insistido que o socialismo realmente funcionava: Com um governo assistencialista intermediando a riqueza ninguém seria pobre e ninguém seria rico, tudo seria igualitário e justo.

O professor então disse:
“Ok, vamos fazer um experimento socialista nesta classe. Ao invés de dinheiro, usaremos suas notas nas provas.”

Todas as notas seriam concedidas com base na média da classe, e portanto seriam ‘justas’. Todos receberão as mesmas notas, o que significa que, em teoria, ninguém será reprovado, assim como também ninguém receberá um “10”.

Após calculada a média da primeira prova todos receberam “6”.

Quem estudou com dedicação ficou indignado, mas os alunos que não se esforçaram ficaram muito felizes com o resultado.

Quando a segunda prova foi aplicada, os preguiçosos estudaram ainda menos – eles esperavam tirar notas boas de qualquer forma. Já aqueles que tinham estudado bastante no início resolveram que eles também se aproveitariam do trem da alegria das notas. Como resultado, a segunda média das provas foi “4”.

Ninguém gostou…

Depois da terceira prova, a média geral foi um “3”.

As notas não voltaram a patamares mais altos mas, as desavenças entre os alunos, a busca por culpados e palavrões passaram a fazer parte da atmosfera das aulas daquela classe.

A busca por ‘justiça’ dos alunos tinha sido a principal causa das reclamações, inimizades e o senso de injustiça que passaram a fazer parte daquela turma.

No final das contas, ninguém queria mais estudar para beneficiar o resto da sala…

Portanto, todos os alunos repetiram aquela disciplina…

Para sua total surpresa, o professor explicou:

“O experimento socialista falhou porque quando a recompensa é grande o esforço pelo sucesso individual é grande”. Mas quando o governo elimina todas as recompensas ao tirar coisas dos outros para dar aos que não batalharam por elas, então ninguém mais vai tentar ou querer fazer seu melhor.

Tão simples quanto o exemplo de Cuba, Coréia do Norte, Venezuela…

E o Brasil e a Argentina, estão chegando lá”…

1. Você não pode levar o mais pobre à prosperidade apenas tirando a prosperidade do mais rico;

2. Para cada um recebendo sem ter que trabalhar, há uma pessoa trabalhando sem receber;

3. O governo não consegue dar nada a ninguém sem que tenha tomado de outra pessoa;

4. Ao contrário do que prega o socialismo, é impossível multiplicar as riquezas tentando dividi-las;

5. Quando metade da população entende a ideia de que não precisa trabalhar, pois a outra metade irá sustentá-la, e quando esta outra metade entende que não vale mais a pena trabalhar para sustentar a primeira metade, então chegamos ao começo do fim de uma nação.

Os melhores sites de vagas para representantes comerciais.

Vagas para representantes comerciais.

Mantenho há muitos anos o site http://www.rg9.org/– A casa do representante comercial. E durante muitos anos reinamos absolutos ao lado de sites como: http://representa.com.br/

Atualmente, temos outros sites oferecendo o mesmo serviço… E vou – a partir de hoje – listar estes sites aqui.

Então vamos ao trabalho. Sites que oferecem vagas para representantes comerciais de forma gratuita e aparentemente sem truques:

www.rg9.org

www.representa.com.br

www.portaldorepresentante.com.br

www.sine.com.br

Em breve mais sites…

 

Telemarketing ou televendas – ninguém aguenta mais.

televendas

(01/01/2017 – Obs: Venho recebendo centenas de ligações para meu celular de números com DDD 081… Procurando por determinada pessoa que não conheço… E mesmo depois de serem avisados que não sou essa pessoa e que nunca ouvi falar na mesma. As ligações continuam… Depois de muito sofrimento consegui descobrir que se trata de uma empresa de cobrança… Mas por que continuam ligando insistentemente – mesmo depois de saber que o telefone não pertence aquela determinada pessoa que procuram? Será que recebem por contato realizado?)

Ligações contínuas e inconvenientes… O telefone toca, você tenta atender e a ligação não é completada… Por dias, semanas… A grande realidade é que ninguém aguenta mais o telemarketing ativo. Alias, este tipo de ação de comunicação não deveria ser chamado de telemarketing e sim televendas. Pois o marketing é oposto às vendas, no sentido em que se tenho o marketing e suas variáveis controláveis (produto, preço, promoção e praça) alinhados o produto vende – praticamente – sozinho, sem a necessidade de um grande e inútil esforço de vendas.

Não sou contra as operadoras de televendas e sim contra o estratégico dessas empresas, que não veem que estão é “queimando o filme” dos bancos, empresas de telefonia (como se isso fosse possível) e demais empresas que usam este tipo de serviço. Tem que haver mais marketing e menos venda. As empresas devem criar atratividade e oferecer um serviço realmente eficaz de televendas passivo. O cliente já interessado liga e é prontamente atendido por uma pessoa que realmente conhece o assunto. Mas o que vemos é justamente o oposto, eles ligam insistentemente para você, são incômodos e inoportunos… Mas quando você está realmente interessado em algum plano ou promoção e liga o atendimento é péssimo.

E o que podemos fazer diante disso tudo… O que me deixa mais chocado é pensar que se existe o serviço de televendas ativo é porque o mesmo da lucro… Mesmo “queimando o filme” das empresas da lucro… Ou seja, existem ainda pessoas que compram algo, fecham planos a partir desse serviço incômodo e sem noção… Pois ligam enquanto você dirige, dorme, trabalha… E sem permissão para isso… Para cada vinte ligações, muitas vezes, apenas uma é completada (as outras caem quando você atende)… E ainda existem pessoas que compram… Existem campanhas nas quais quem liga para você é um robô… E ainda existem pessoas que compram… As próprias operadoras de televendas ficariam muito mais confortáveis em um serviço de atendimento passivo… E ainda existem pessoas que compram…

Para finalizar, gostaria de falar que o serviço é televendas (o departamento pode até ser chamado de telemarketing) e que a efetividade do televendas ativo é cada dia menor… Só vejo futuro em casos extremamente customizados, como a sua gerente pessoal ligando diretamente para você ou como resposta a uma solicitação ou permissão sua, ou mesmo uma empresa fornecedora ligando para uma loja de varejo, por exemplo. Enquanto isso, o telemarketing passivo (que é tão mal trabalhado pelas empresas) tem sim um futuro promissor (inclusive utilizando novas tecnologias).

Televendas ativo para pessoas físicas, não atendo, não compro e quero – dentro das possibilidades – distância das empresas que utilizam este serviço.

Acreditem, o cliente nunca mais volta – Sam Walton (Wal-Mart).

sam-walton
Anos atrás, Sam Walton, fundador da maior rede de varejo do mundo, a Wal-Mart, abriu um programa de treinamento para seus funcionários, com muita sabedoria. Quando todos esperavam uma palestra sobre vendas ou atendimento, ele iniciou com as seguintes palavras:

“Eu sou o homem que vai a um restaurante, senta-se à mesa e espera pacientemente, enquanto o garçom faz tudo, menos anotar o meu pedido.
Eu sou o homem que vai a uma loja e espera calado, enquanto os vendedores terminam suas conversas particulares.
Eu sou o homem que entra num posto de gasolina e nunca usa a buzina, mas espera pacientemente que o empregado termine a leitura do seu jornal.
Eu sou o homem que explica sua desesperada urgência por uma peça, mas não reclama quando a recebe somente após três semanas de espera.
Eu sou o homem que, quando entra num estabelecimento comercial, parece estar pedindo um favor, implorando por um sorriso ou esperando apenas ser notado.
Você deve estar pensando que sou uma pessoa quieta, paciente, do tipo que nunca cria problemas… Engana-se.

Sabe quem eu sou? Eu sou o cliente que nunca mais volta!
Divirto-me vendo milhões sendo gastos todos os anos em anúncios de toda ordem, para levar-me de novo à sua empresa, sendo que quando fui lá pela primeira vez, tudo o que deveriam ter feito era apenas uma pequena gentileza, simples e barata: tratar-me com um pouco mais de cortesia.
Só existe um chefe: O CLIENTE. E ele pode demitir todas as pessoas da empresa, do presidente ao faxineiro, simplesmente levando o seu dinheiro para gastar em outro lugar.”

Estudo revela que quase um quarto de tudo que é publicado no Twitter é falso.

Redes sociais.

Segundo estudo realizado pelo Instituto de Tecnologia da Geórgia, quase um quarto de tudo que é publicado no Twitter é falso.

O estudo – dirigido pela pesquisadora indiana Tanushree Mitra – realizou um levantamento (que ganhou o nome de CredBank) de credibilidade dos tuítes e averigou mais de 1 bilhão de dados de outubro de 2014 a fevereiro de 2015.

Conhecendo um pouco de Internet (e de Twitter), isso já era de se esperar… Acho que assustaria um pouco mais se o estudo tivesse como alvo uma Wikpedia, por exemplo.

A realidade da educação no Brasil.

Recebi este texto de um colega pelo whatsApp…

Leiam o relato de uma Professora de Matemática:

Semana passada, comprei um produto que custou R$ 15,80. Dei à balconista R$ 20,00 e peguei na minha bolsa 80 centavos,
para evitar receber ainda mais moedas.
A balconista pegou o dinheiro e ficou olhando para a máquina registradora, aparentemente sem saber o que fazer.
Tentei explicar que ela tinha que me dar 5,00 reais de troco, mas ela não se convenceu e chamou o gerente para ajudá-la.
Ficou com lágrimas nos olhos enquanto o gerente tentava explicar e ela aparentemente continuava sem entender.
Por que estou contando isso?
Porque me dei conta da evolução do ensino de matemática desde 1950, que foi assim:

1. Ensino de matemática em 1950:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda.
Qual é o lucro?

2. Ensino de matemática em 1970:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda ou R$ 80,00. Qual é o lucro?

3. Ensino de matemática em 1980:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Qual é o lucro?

4. Ensino de matemática em 1990:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Escolha a resposta certa, que indica o lucro:
( )R$ 20,00 ( )R$ 40,00 ( )R$ 60,00 ( )R$ 80,00 ( )R$ 100,00

5. Ensino de matemática em 2000:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
O lucro é de R$ 20,00.
Está certo?
( )SIM ( ) NÃO

6. Ensino de matemática em 2009:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Se você souber ler, coloque um X no R$ 20,00.
( )R$ 20,00 ( )R$ 40,00 ( )R$ 60,00 ( )R$ 80,00 ( )R$ 100,00

7. Em 2010 ….:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.
O custo de produção é R$ 80,00.
Se você souber ler, coloque um X no R$ 20,00.
(Se você é afro descendente, especial, indígena ou de qualquer outra minoria social não precisa responder pois é proibido reprová-los).
( )R$ 20,00 ( )R$ 40,00 ( )R$ 60,00 ( )R$ 80,00 ( )R$ 100,00

E se um moleque resolver pichar a sala de aula e a professora fizer com que ele pinte a sala novamente,
os pais ficam enfurecidos pois a professora provocou traumas na criança.
Também jamais levante a voz com um aluno, pois isso representa voltar ao passado repressor (Ou pior: O aprendiz de meliante pode estar armado)

-Essa pergunta foi vencedora em um congresso sobre vida sustentável:
Todo mundo está ‘pensando’ em deixar um planeta melhor para nossos filhos…
Qdo é que se ‘pensará’ em deixar filhos melhores para o nosso planeta?”