Logística: Definições e principais atividades.

codigo-de-barra

 

Definições de logística:

“Ter o produto certo, na quantidade certa, em condições certas, no local certo, no momento certo, com o preço certo e para o cliente certo”.

“A ciência de prever necessidades e prover soluções” (Marinha do Brasil).

“A logística empresarial trata de todas as atividades de movimentação e armazenagem que facilitam o escoamento de produtos desde o ponto de aquisição da matéria-prima até o ponto de consumo final, assim como dos fluxos de informação que colocam os produtos em movimento, com o propósito de providenciar níveis de serviço adequados aos clientes a um custo razoável” (BALLOU, 1993).

“Logística é o processo de planejar, implementar e controlar de maneira eficiente o fluxo e a armazenagem de produtos, bem como os serviços e informações associados, cobrindo desde o ponto de origem até o ponto de consumo com o objetivo de atender os requisitos do consumidor” (Council of Logistics Management – CLM).

Continuar lendo Logística: Definições e principais atividades.

Gestão da informação na produção e estoques.

taking_notes

 

Sistema de solicitação trimestral.

 

Em meados de 1950 havia grande procura por todo tipo de produto, isso devido à escassez deixada pela Segunda Grande Guerra. Devido ao aumento na demanda, as indústrias muitas vezes demoravam até um ano e meio para atender a um pedido… Nesse cenário, se inicia o planejamento trimestral de necessidades de produção e controle dos respectivos estoques, o chamado “sistema de solicitação trimestral”.

 

O Sistema de solicitação trimestral se baseava na análise dos pedidos pendentes, para elaboração da planilha de produção… Tudo feito em uma base trimestral… Esse sistema foi o predecessor MRP (Planejamento de necessidade de material).

Continuar lendo Gestão da informação na produção e estoques.

Distribuição:

Distribuição:

A presença do produto no ponto de venda é uma das condições fundamentais para que todo o esforço realizado ao longo da cadeia de suprimentos tenha sido válido. Quando falamos de commodities, por exemplo, a presença no ponto de venda é ainda mais importante, mas mesmo os produtos com foco na diferenciação e marca podem ser substituídos por concorrentes diretos ou produtos substitutos.

Continuar lendo Distribuição:

A Gestão da demanda:

Demanda é a procura quantificada por determinado produto ou serviço.

O conhecimento e a previsão da demanda é vital para o bom atendimento dos clientes e ainda para o próprio funcionamento da empresa. Se não tivermos uma clara previsão sobre a demanda, e principalmente sobre suas oscilações, poderemos sofrer com a falta ou excesso de mercadorias, em ambas as situações as conseqüências podem se catastróficas. Continuar lendo A Gestão da demanda:

Almoxarifado.

O Almoxarifado:

1) Conceituação:

O lugar destinado à guarda e conservação de materiais que ao mesmo tempo deve garantir: A segurança, a conservação, a inviolabilidade física e o rápido acesso aos mesmos…

“O almoxarifado é a unidade administrativa responsável pelo controle e pela movimentação dos bens de consumo, que são registrados de acordo com as normas vigentes.” (AUDIN, 2006).

————————————–

2) Histórico:

“Desde os mais remotos tempos, quando ocorreu a invasão árabe na Península
Ibérica e a palavra “al-xarif” designava a pessoa de confiança do Sultão, responsável pela guarda dos bens do seu senhor, a atividade de almoxarifado já era exercida. A própria origem da palavra almoxarife, vem daquele vocábulo que através de metaplasmos de transformação, chegam assim até os nossos dias, gerando também o nome do setor, ou da atividade – Almoxarifado.”

(Viana, 2000).

Continuar lendo Almoxarifado.

Logística – Principais atividades.

Logística.

As principais atividades do processo logístico são muito abrangentes, elas vão da Produção até a Distribuição, passando pela Gestão de estoques e a Armazenagem. Tudo deve estar alinhado e sincronizado para que possamos falar que existe alguma logística em nossa operação.

Vamos analisar, de maneira resumida, cada uma dessas etapas:

1) Produção:

Até a revolução industrial a produção seguia o modelo artesanal… Com a necessidade de produção e de se conseguir economia de escala, inicia-se o período de análise de tempo e movimento, onde é demonstrado que: Com um trabalhador especializado em sua função, e a própria segmentação de funções, alcançamos uma maior e mais eficaz produção… Nesse ponto temos que destacar Frederick W. Taylor (1856-1915), Jules Henri Fayol (1863-1947) e Henry Ford (1863-1947)… Estamos vivendo o ápice da produção empurrada… A preocupação é de produzir muito e pelo menor preço… Os produtos vendem-se sozinhos… A diferença entre o produzido e o vendido vai para os estoques…

Depois do fim da Segunda Guerra Mundial, o mercado mundial havia passado por drásticas mudanças… O Japão, completamente arrasado, conta com um pequeno mercado consumidor, capital e matéria prima escassos… E a mão de obra não é especializada… Em um cenário como esse, implantar um modelo de produção Taylorista-Fordista seria suicídio.

Os japoneses então, criam e adotam um modelo de produção no qual o objetivo é produzir poucas quantidades de muitos modelos e produtos… Tudo voltado para o mercado externo e tendo a demanda, e não mais a economia de escala, como foco… A produção agora é puxada, puxada pela demanda…
Seu objetivo era gerar divisas para obtenção de matérias primas, alimentos, equipamentos industriais etc. Estava nascendo o Toyotismo, no qual temos como características principais: A mecanização flexível, o sistema Just-in-time, a customização de produtos e a criação de uma mão de obra, capaz de realizar varias funções dentro de uma mecanização flexível.

Entre as operações associadas ao sistema Just-In-Time destacam-se:

a) A produção em condomínio: No qual fornecedores e empresa principal reúnem-se fisicamente em um mesmo local, com fim de produzir, através de módulos e puxados pela demanda os produtos finais da empresa principal.

b) O adiamento da finalização da produção: No qual a montagem final dos produtos é realizada o mais próximo possível da venda ou de sua aplicação.

2) Gestão de estoques:

Durante o período das altas taxas de inflação, os custos de manutenção de estoques era facilmente minimizado devido aos ganhos financeiros… Com a estabilização financeira todos tiveram que reaprender a trabalhar. Os custos na manutenção de estoques, agora podem até fechar as portas de uma empresa… E muitas empresas fecharam as portas…

Um dos assuntos mais importantes na gestão de estoques é a previsão da demanda. Um erro pode levar a falta de produtos ou ao excesso… Agora imaginem o custo de um desses erros.

Outro ponto importante é a localização do estoque: Podemos manter um estoque central ou loja-a-loja, ponto-a-ponto (descentralizado)… Todos apresentam vantagens e desvantagens.

Vamos analisar os pontos que devem ser considerados:

a) Tempo de resposta (quanto tempo à empresa demora em atender a um pedido).
b) Giro do produto (giro alto necessita de descentralização).
c) Valor agregado (alto valor agregado necessita de centralização).
d) Exigência de disponibilidade do material (por parte do mercado consumidor).

3) Armazenagem:

Uma unidade de armazenagem pode ser utilizada de diversas formas e assim contribuir para o bom andamento da estratégia global que envolve a operação comercial de determinada empresa.

Podemos por exemplo:

– Em um modelo de CD – Central de Distribuição – receber os produtos de diversos fornecedores para posterior distribuição para suas lojas. Normalmente, nesse modelo, os produtos são entregues pelo fornecedor na central de distribuição e de acordo com os pedidos das lojas, distribuído.

– Modelo de distribuidora. Isso é, uma unidade de armazenagem em que são estocados diversos produtos que serão entregues para diversos clientes de acordo com os pedidos gerados pelos mesmos.

Operações em instalações de armazenagem.

As quatro atividades básicas:

a) Recebimento (entrada dos produtos e as dividas verificações).
b) Estocagem (direcionamento do produto para seu ponto-de-guarda).
c) Administração de pedidos (processamento dos pedidos, emissão da lista de separação picking e criação do circuito lógico para separação).
d) Expedição (conferência entre o pedido e o que foi separado, emissão das documentações, programação das entregas –rotas- e controle do embarque das mercadorias… O trabalho só acaba quando acontece o aceite da mercadoria por parte do cliente).

Localização das unidades de armazenagem:

Existem duas teorias quanto à localização de estoques:

a) Teoria da pulverização de estoques (atendimento efetivo ao cliente).

b) Teoria da centralização de estoques (redução de custos).

4) Distribuição:

A movimentação de cargas permite que os produtores coloquem seus produtos exatamente onde seus consumidores estão.

Atualmente, a grande maioria das empresas deve e quer trabalhar com os menores estoques possíveis. Seja de matérias-primas ou produtos acabados… Em um cenário como esse à distribuição é um dos fatores mais importantes.

Quando falamos de distribuição, inevitavelmente estamos falando de transportes. E quando falamos de transporte falamos de custo e confiabilidade.

Pense no impacto que o transporte pode ter na percepção do cliente quanto ao preço e qualidade do produto…

Modalidades (modais) de transporte:

a) Rodoviário;
b) Aéreo;
c) Aquaviário;
d) Ferroviário;
e) Dutoviário;

Cada modal apresenta características, vantagens e desvantagens próprias. Se o objetivo for velocidade e o produto a ser transportado for de alto valor agregado, o modal aéreo pode ser uma boa opção. Ao contrário, para produtos pesados, volumosos e de baixo valor agregado, o transporte aquaviário e ferroviário poderia ser uma ótima opção. Aliás, o transporte ferroviário poderia ser a solução: Para a redução de custos de nossos produtos, para melhoria do meio ambiente (em substituição do rodoviário) e para viabilizar a industrialização de áreas distantes, entre outros pontos…

A combinação de modais:

Para otimizar e até mesmo viabilizar os processos logísticos de transporte, podemos utilizar: A Intermodalidade (utilização conjunta de mais de um modal, no qual são utilizados documentos fiscais individuais para cada tipo de modal). E a Multimodalidade (Integração total da cadeia de transporte, com gerenciamento integrado e a utilização de um só documento fiscal em toda a operação).